• "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles
  • "Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles

"Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso. " Aristóteles

Além de construir uma estrutura que leva a areia à 500mts do rio, o que faz com que a chuva e o vento não a levem novamente e inadequadamente para o rio, provocando o assoreamento, no local do terminal também foi feita recuperação da área, onde antes era um pasto. A Associação, principalmente com o empenho do Associado Vanderlei Pasquali recuperaram uma área de 25 hectares em parceria com o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) unidade de Paranavaí – PR.

A Associação não mediu esforços para recuperar aquela área. Houve muitas dificuldades para o resgate do solo, para fazer as mudas crescerem e para evitar o crescimento das gramíneas, prejudiciais as plantas em desenvolvimento. Foram plantadas 65 mil mudas de 38 espécies nativas, as quais tiveram o cuidado com capinas manuais, rega, entre outras intervenções sem o aparato de equipamentos de manejo mecânico, gerando um alto custo. Hoje, mais de 10 anos depois, a mata já está formada. Esta tem mostrado grande desenvolvimento, sendo abrigo para várias espécies animais.

Deste trabalho de recuperação surgiu uma forte parceria com o IAP de Paranavaí, onde em uma área ao lado do terminal, em iniciativa do IAP e de Vanderlei, foi pensado num projeto para a recuperação da mesma, onde surgiu o Projeto de Pesquisa: Restauração de mata ciliar em sistema de agrossilvicultura (PRASA) no Município de São Pedro do Paraná, PR. A agrossilvicultura é um processo de revegetação ripária aliada, em seus primeiros estágios, ao cultivo de uma espécie de valor comercial.

Este projeto contou com a parceria dos órgãos: Consórcio Intermunicipal da APA Federal do Noroeste do Paraná (COMAFEN), Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER) – Paraná, Universidade Estadual de Maringá UEM/NUPÉLIA, Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (Reguladora da APA Federal de Ilhas e Várzeas do Rio Paraná), Banco do Brasil/DRS, Catuana Agropecuária, Prefeitura de São Pedro do Paraná, Projeto Paraná Biodiversidade, além do IAP e da própria Associação das Indústrias Extrativas de Areia do Noroeste do Paraná. Este experimento cientifico resultou em base para outras recuperações no noroeste do Paraná.

A Associação mantem sua preocupação ambiental, adotando uma postura responsável ecologicamente diante da sociedade, assessorando novos projetos de recuperação, bem como preservando a mata recuperada na área do terminal. O IAP e o NUPELIA também ajudam a monitorar essa área onde todos os associados e funcionários se sentem responsáveis por zelar.

Prêmio Expressão de Ecologia: Diante da iniciativa orquestrada pelo associado Vanderlei foram recebidos dois prêmios a nível nacional. O Prêmio de Expressão de Ecologia promovido pela editora expressão homenageou a Associação das Indústrias Extrativas de Areia do Noroeste do Paraná nas categorias: Recuperação de áreas degradadas em 2006 e Tecnologia de Controle Ambiental em 2008.

Mata Ciliar: O Código Florestal Brasileiro garante que as matas ciliares são Áreas de Proteção Permanente (APP), determinando as distâncias mínimas de acordo com a largura do Rio. A mata ciliar, vegetação nativa as margens de rios, igarapés, lagos, nascentes e represas, é fundamental para o equilíbrio ecológico.

O Art. 2° do Código florestal, com alteração dada pela Lei 7.803/89 que revogou a lei 7.511/86 e está vigorando atualmente, exige preservação de florestas e demais formas de vegetação natural:

1 - de 30 (trinta) metros para os cursos d'água de menos de 10 (dez) metros de largura;

2 - de 50 (cinquenta) metros para os cursos d'água que tenham de 10 (dez) a 50 (cinquenta) metros de largura;

3 - de 100 (cem) metros para os cursos d'água que tenham de 50 (cinquenta) a 200 (duzentos) metros de largura;

4 - de 200 (duzentos) metros para os cursos d'água que tenham de 200 (duzentos) a 600 (seiscentos) metros de largura;

5 - de 500 (quinhentos) metros para os cursos d'água que tenham largura superior a 600 (seiscentos) metros;

 Embora seja Lei, muitos produtores rurais e empresas ainda não seguem essa norma. As exigências causam conflitos de interesse principalmente em áreas particulares. Predomina no noroeste do Paraná, região onde fica a Associação das Indústrias Extrativas de Areia do Noroeste do Paraná (APA), a exploração agropecuária. Muitos fazendeiros retiram a vegetação em sua totalidade. Além da ausência de proteção para o solo, o pisoteamento do gado facilita o processo erosivo e por consequência a entrada de sedimentos para as águas.

Outro fator ofensivo é a formação de portos de areia de morro as margens do rio, que ao retirarem a mata ciliar e promover o grande trafego de caminhões pesados no leito também podem provocar desequilíbrio. Desde sua formação, com a construção do Terminal de Carga e Descarga de Areia “Prezalino SempreBom”, a APA tem sua preocupação voltada ao meio ambiente.