Pesagem

O peso excedente segundo o Departamento de Estradas e Rodagens (DER) e o Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) contribui para os altos índices de acidentes nas rodovias envolvendo caminhões: pois reduz a estabilidade ao tombamento, aumenta a distância para parar o veículo, superaquece o sistema de freio; danifica o veículo: aumenta o consumo de diesel, desgasta seus componentes, especialmente da suspensão (molas, pneus e eixos); prejudica o setor de Transporte de Cargas porque rouba carga que outro caminhão deveria transportar, atuando de forma predatória no preço do frete e também danifica pontes e viadutos, reduzindo sua vida útil.

O excesso de PBT é o grande vilão do pavimento asfáltico reduzindo sua vida útil e deixando uma trilha que pode causar acidentes com automóveis e motocicletas. Também a esses danos está atrelado o “Excesso nos Eixos” ou no “entre-eixo” como é popularmente conhecido. Diante disso, as empresas que formam a Associação das Indústrias Extrativas de Areia do Noroeste do Paraná (APA) e fazem uso do Terminal tem como postura e via de regra não ultrapassar os limites impostos pelo CONTRAM.  

Essa é uma medida que muitos portos de areia não seguem, devido a isso, muitos outros pontos de extração na região fazem concorrência com o terminal. Isso reforça a inexistência de privilégios, na relação mercadológica da APA. É importante a conscientização social desta medida tantos para empresas fornecedoras de produtos e materiais a ser carregados, quanto para as empresas transportadoras, justamente pelo grande aumento de veículos transportadores no país.

O Código de Trânsito Brasileiro apresenta em seu Anexo I as seguintes definições:

  • - Peso Bruto Total (PBT) – peso máximo que o veículo transmite ao pavimento, constituído da soma da tara mais a lotação.
  • Peso Bruto Total Combinado (PBTC) – peso máximo transmitido ao pavimento pela combinação de um caminhão-trator mais seu semi-reboque ou do caminhão mais o seu reboque ou reboques.
  • - Lotação – carga útil máxima, incluindo condutor e passageiros, que o veículo transporta, expressa em quilogramas para os veículos de carga, ou número de pessoas, para os veículos de passageiros.
  • - Tara – peso próprio do veículo, acrescido dos pesos da carroçaria e equipamento, do combustível, das ferramentas e acessórios, da roda sobressalente, do extintor de incêndio e do fluido de arrefecimento, expresso em quilogramas.
  • - Capacidade Máxima de Tração (CMT) – máximo peso que a unidade de tração é capaz de tracionar, indicado pelo fabricante, baseado em condições sobre as limitações de geração e multiplicação de momento de força e resistência dos elementos que compõem a transmissão.

 

  • O desenvolvimento do tráfego de veículos no Brasil tem se caracterizado pela diversidade e aumento de veículos, dados do Departamento Nacional de Trânsito DENATRAN apontam o crescimento de 50% entre 2005 e 2010. Segundo a ANTT - Registro Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas entre os anos de 1970 e 2000, o setor de transportes cresceu cerca de 400%. Em 2008 foram registrados no Brasil 1.666.710 veículos transportadores de carga. Em dezembro de 2010, último levantamento da ANTT, o total foi de 2.176.682.

Respeitar os limites impostos pelo CONTRAN é um compromisso social as estradas e ao tráfego da região. Este tem sido mantido pela Associação e está contribuindo tanto para maior durabilidade da rede viária, quanto para o aumento da segurança dos usuários e da otimização de aplicação dos recursos públicos.